top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Um país se constrói com seriedade, capacidade, resiliência e Justiça(07/12/2020)





O Fato Sem Politicagem 07/12/2020


Depois de um começo dúbio repassando a sensação de uma solução de compadrios, em decisão acertada e por maioria, o STF (Supremo Tribunal Federal) houve por bem, em placar de (6 a 5) (7 a 4) barrar a possibilidade de os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e David Alcolumbre, respectivamente, de disputarem a reeleição na mesma legislatura. As eleições do Congresso Nacional estão marcadas para 1º de fevereiro do próximo ano.


Essa decisão foi em resposta de uma provocação do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), de certa forma os ministros do STF abortaram os sonhos dos dois comandantes daquele Poder Legislativo, mesmo sabendo que alguns acertos serão feitos no texto final da decisão, pelo menos, para felicidade geral da Nação, a Constituição não foi rasgada mais uma vez.


Fica pendente ainda a candidatura ao cargo de presidente da Câmara Federal do deputado Arthur Lira (PP/AL), por seu envolvimento da rachadinha, no Estado de Alagoas, o que ele nega peremptoriamente. Com a falta de legalidade para concorrerem à reeleição dos atuas presidentes, Maia e Alcolumbre, fica aberta uma janela de oportunidades para outros deputados e senadores possam postular essas candidaturas.


Além do deputado Arthur Lira que insiste em sair candidato tendo como padrinho político a presidente da República Jair Bolsonaro, tem ainda o fato de ele ser Líder do Centrão, grupo de apoiadores, na sua maioria, do Bolsonaro que necessita de ter na presidência daquela casa alguém de sua confiança para que possa segurar os pedidos de impeachment e, em que figura o atual presidente e ele precisa se manter no cargo até viabilizar sua reeleição para 2022.


Rodrigo Maia não sendo candidato, por impedimento legal, alguns nomes aparece como candidatos e com o apoio provável do atual presidente da Câmara, são eles: Baleia Rossi (MDB/SP) ele tem uma condicionante que lhe é favorável, em condições de igualdade, por ser presidente do Partido e pode trazer a própria sigla ao centro do comando do Parlamento; Aguinaldo Ribeiro (PP/PB) é um dos Líderes dentro da sua bancada e vem se mantendo sempre em evidência, sendo considerado aliado político de Rodrigo Maia.


Representando o Partido Republicanos, figura como uma força política na bancada evangélica o deputado Marcos Pereira, de São Paulo; outro que é dado como um nome que não pode ficar esquecido é do Luciano Bivar, não esquecendo que ele é o presidente do segundo maior Partido na Câmara Federal (PSL/PE) não nutrindo qualquer sentimento de simpatia pelo presidente Bolsonaro; por fim, temos o Elmar Nascimento (DEM/BA), uma das figuras emblemáticas do nosso Congresso e um Líder eficiente e eficaz dos Democratas na Câmara Federal.


O Brasil depois de superar essa crise que se anunciava entre os Poderes constituídos continua mergulhado na inércia do Executivo que continua sendo absorvido pela sua própria negligência, formando inimigos internos e externos, claudicante e claudicando; quando o assunto é tomada de decisão não há caminhos a seguir, nem mesmo tortuosos e mal iluminados, problemas pontuais seguem sem soluções viáveis e assertivos.


Nada mais constrangedora é a posição do Governo Central em embate com governadores de diversos Estados por conta do uso e vacinação da população de uma vacina que nem mesmo existe aprovada, apenas evidências futura, mas a disputa política principalmente entre o Governo do Estado de São Paulo e o Governo Bolsonaro é de causar inveja em qualquer incompetente anônimo de nosso país.


Enquanto isso a população continua aflita e desorientada, não sabendo a quem seguir e os índices de novos casos continuam em evolução, com a teimosa da população em se manter por entre os corredores das cidades como se fossem caminhos para o descaso. Outro assunto que chama a nossa atenção o caso das tecnologias de 5G, a nova geração de telefonia móvel que vem revolucionando o mundo.


Não sei exatamente os motivos pelos quais o nosso presidente da República, por apreço ao presidente Trump, EUA, ou mesmo por excesso de ignorância administrativa e política, em subserviência descomunal tolhe qualquer iniciativa da nossa telecomunicação para fazermos as primeiras tratativas no sentido de implantarmos esse novo sistema.


A própria empresa Huawei, signatária e detentora de tecnologia premiada, por ter negócios de origem chinesa, ficou impedida de fazer os primeiros movimentos para tratar desse assunto com o governo brasileiro, mesmo já operando em nosso mercado por mais de 22 anos. Vale lembrar que o Trump ficará como presidente dos EUA até janeiro próximo.


Em seguida não sabemos o que vai ocorrer com a posse do novo presidente americano, certamente ele, Bolsonaro, sairá com alguma pérola enfatizando que esse é um assunto longe de sua responsabilidade, suas prioridades são outras: vencimento de carteiras de motoristas e os radares móveis nas estradas brasileiras. Deus seja louvado! Que ajude o Bolsonaro e não nos desampare.


Genival Dantas

Poeta, Escritor e Jornalista





17 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page