top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Pai, não os perdoe, eles sabem perfeitamente o que fazem

Atualizado: 29 de jan. de 2022





O fato sem politicagem 27/01/2022


Com a nova onda do Coronavírus, agora denominado de Ômicron, toda a dianteira que tínhamos tomados contra o Vírus não adiantou, os menos avisados, os que se acham acima de tudo e de todos, assim como um funcionário público descoordenado, prevaricaram, mais acintosamente no final do ano, a maioria comemorou efusivamente a passagem do ano novo.



O que mais lamentamos foi a falta de acuidade com as normas e procedimentos para com as relações pessoais, mesmo entre familiares, quando a renúncia ao novo normal prevaleceu e as orientações prescritas pelas autoridades competentes foram relevadas, prevalecendo o descaso completamente.



Mesmo com a pandemia sob controle em estágio de escala descendente era para que todos se mantivessem sob retaguarda geral e absoluta, evitando aglomerações, o risco ainda era iminente, tanto é que estamos em ritmo de pandemia acentuada, com novos recordes de internações em enfermarias e UTIs reservadas aos infectados pelo Coronavírus.



A maioria dos Estados estão com 80% dos seus leitos hospitalares reservados aos pacientes do Coronavírus ocupados e alguns como o próprio Estado de São Paulo montando novos leitos, ampliando essa capacidade para mais 700 leitos reservados ao atendimento de enfermarias e UTIs, a população colaborou com essa nova fase.



Ainda bem que com o grande número de vacinados tem crescido, com 70%, os novos contaminados não estão com as mesmas características anteriores, muito embora seja mais transmissível o Ômicron é menos letal que as fases anteriores, acreditamos que um dos fatores para essa situação positiva seja exatamente pelo efeito da vacinação em massa.



Doravante, espero que tanto a população civil como as próprias autoridades sigam com mais firmeza e não retrocedam nas suas precauções, principalmente agora que virá pela frente ensaios e o próprio carnaval na sequência. Temos que ter consciência da nossa fragilidade ante essa pandemia que é avassaladora e não escolhe vítimas.



Seria bom que o governo federal parasse de brincar com a vida alheia, não usando mais invencionices, protelando certas ações em prejuízo aos mais fragilizados e necessitados de barreiras sanitárias, no caso as vacinas nas crianças e adolescentes de 5 até 11 anos, tendo ficado no compasso de espera por tempo injustificado enquanto a crise aumentava.






Genival Dantas

Poeta, Escritor e Jornalista

8 visualizações0 comentário

留言


bottom of page