top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Os sonhos dos anos 1970 e os pesadelos de 2010(22/06/2020)



Até 1970 o Brasil ganhou três campeonatos mundiais, o de 1958, na Suécia, o Brasil tinha 52 milhões de habitantes, em números redondos, o nosso Presidente era Juscelino Kubitschek de Oliveira, o maior estadista que já tivemos depois de Dom Pedro ll, mesmo sendo imperador foi um dos maiores Democratas que o País já teve. Em 1962 fomos bicampeões, do mesmo campeonato e agora no Chile, já passávamos de 70 milhões de brasileiros, nosso Presidente era João Belchior Marques Goulart, e o Brasil ratificava o futebol esplendoroso praticado pela academia futebolística da América do Sul.

Depois de oito anos e verdadeiro fracasso no mundial de 1966 na Inglaterra quando os anfitriões foram campeões se tornaram campeões mundiais, novamente, o Brasil volta a reinar no esporte que seria admirado por todos seus concorrentes e em todos os Continentes. Era 1970, no México, a FIFA patrocinava o espetáculo que apresentava praticamente como despedida dos palcos do mundo, em termos de Seleção Brasileira, o Rei do Futebol Mundial, Edson Arantes do Nascimento, carinhosamente conhecido como Pelé, uma das marcas mais conhecidas em todo planeta.

Foi na euforia de uma torcida apaixonada e em campos de um País admirador da nossa gente, o México foi um dos maiores torcedores que tivemos nos estimulando e incentivando. A música que embalava os dias que o Brasil jogava falava em 90 milhões de habitantes, a corrente para frente, salve a seleção, esses versos eram entoados, conforme os números do IBGE por quase 94 milhões de brasileiros.

Naquele momento, o Brasil tinha na Presidência o General Emílio Garrastazu Médici, período do Regime Militar, das Usinas Elétricas e Estradas sendo construídas para a interiorização da indústria brasileira. O Brasil retoma o crescimento com novo estímulo ao petróleo e a indústria automobilística, para alegria dos conservadores e tristeza dos esquerdistas e comunistas que foram suplantados pelo patriotismo dos militares e a classe civil desenvolvimentista.

Depois de 15 anos os militares devolvem o País para a Sociedade civil, agora em 1994, 24 anos do tricampeonato mundial, voltamos ao sucesso nos campos de futebol, agora com o tetracampeonato, os jogos foram nos EUA e lá reinamos absoluto. Nosso presidente era Itamar Augusto Cautiero Franco, já éramos quase 150 milhões de brasileiros que voltavam a sorrir pelo sucesso alcançado pela seleção brasileira.

Finalmente chegamos ao ano de 2002 e a conquista do pentacampeão mundial de futebol, o Brasil vinha de uma série de vitória na área econômica, com o controle da inflação, estabilidade econômica e a população já se apresentava com mais de 170 milhões de brasileiros cheios de esperanças. Tudo parecia que o Brasil toma novamente rumo na sua administração pública, muito embora o FHC fosse socialista tinha boas intenções, fez vários ajustes, mesmo não sendo um administrador eficaz foi eficiente nas suas proposições.

Podemos justificar que em termos de futebol o Brasil conhece sua melhor seleção, em termos de resultados em 1970, com uma equipe combativa, briosa e respeitada. Não estou afirmando que as duas anteriores e as posteriores vencedoras não tiveram os méritos merecidos, estou simplesmente dizendo que entre as melhores a vencedora de 1970 foi sem dúvida a favorita de muita gente. Quanto aos demais aspectos que fazem a conjuntura de um país, infelizmente, depois de 2002, com a consequente da eleição presidencial, do representante da esquerda brasileira, Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil entra em queda livre e só pioramos.

O ex-presidente Lula até que tentou fazer sua parte, entretanto os seus auxiliares não contribuíram e nem se esforçaram para um bom termo. O Governo Lula, ou petista, em conjugação com o Governo Dilma, sucessora do Lula, foi verdadeira bancarrota administrativa, quando o Brasil passou a ser saqueado no seu erário, desvio de condutam tanto foram como dentro do governo, verdadeiro despautério, tendo a corrupção se instalado dentro do governo sem nenhuma comparação anterior. Os prejuízos provocados pela torpe de delinquentes esquerdista, concubinado com boa parcela da direita, e empresários de má fé, fizeram uma verdadeira devassa na economia do Estado Brasileiro.

O final dessa história e conhecida por todos, sobrou desse tempo apenas o governo tampão do ex-presidente Michel Temer, período de 30 meses e a passagem para o atual Presidente Jair Messias Bolsonaro. Inicialmente o atual presidente estava sendo apoiado por boa parte da sociedade civil em detrimento ao petismo nacional, tudo vinha em estágio de expectativa até Bolsonaro começar a fazer um governo de exceção, ou seja, governar apenas para os seus, sem um projeto político, social e econômico.

Mergulhamos em verdadeiro caos administrativo, a pandemônia provocada pelo Coronavírus, área da saúde, foi o acelerador das crises geradas dentro do Governo Federal. Somos um país em plena crise sanitária sem ministro da saúde depois de dois ministros dispensados pelo presidente da República e a crise se ampliando por falta de ações efetivas do Governo Central, está sendo salvos por atitudes Estaduais e Municipais.

A nossa Educação vem sendo tratada na base de coices, pontapés e açoites, sem nenhuma chance de um futuro alvissareiro, com passagem de dois ex-ministros da pasta sem nenhuma vocação para o assunto. Na área política temos um Presidente da República atônito, em verdadeiro pânico, sem nenhuma noção de administração, ou mesmo controles, sendo atropelado pelo Congresso e Supremo Tribunal Federal, esses dois Poderes, estão viabilizando certas situações na base do afogadilho, discordando, impugnando, devolução de MP até já ocorreu, ou seja, uma verdadeira humilhação para quem teve 57 milhões de votos e hoje não sabe o que fazer com o cargo para o qual foi eleito.

Ante os fatos, estamos bem distantes da alegria vivenciada nos anos de 1970, com a alegria dos 90 milhões de brasileiros que viviam na esperança de dias melhores, porém, com nossos quase 210 milhões de desanimados, desesperados e desenganados, com um milhão de contaminados pelo Coronavírus e nossos 50 mil mortes que temos chorados e a cada dia o número vem aumentado, somos uma nação sem rumo e sem tempo para remediar. O que mais nos incomoda é perceber que existem pessoas que ficam indiferentes ao drama que estamos vivendo, como se vidas fossem números que fazem parte de uma estatística, apenas para cadastro informativo, isso é cruel e desumano.

Estamos fadados a não termos mais sonhos, apenas vivemos em pesadelos diuturnamente, como se a qualquer momento fôssemos contaminados e jogados na planilha apenas para sermos contabilizados e enterrados em valas comuns, como tem ocorrido com muitos dos nossos trabalhadores e honestos que tiveram a desdita de não ter os cuidados do Estado que negligencia nos cuidados mais importantes de um governo sério, humano e cristão. Isso só pode ser pesadelo.

Genival Dantas

Poeta, Escritor e Jornalista




1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page