top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Os espetaculosos comportamentos das eminências pardas (03/04/2020)





Nesse momento de crise e intempestividade com a abantesma das pugnas que nos governa, somente no silêncio das madrugadas frias e longas é que os maiores de 60 anos, tidos como os senhores da terceira idade, tratados como se fosse um peso para a sociedade, o que é jocoso e extremamente desumano tal entendimento. Uns tentam nos julgar como peças extremamente delicadas como decoração de uma festa acabada, portanto, relevada bijuteria de segundo plano e descartada em um quarto mórbido e tétrico.

Antes eu não tivera essa sensação de descarte, como faço parte desse grupo de risco para os avejões da sociedade dita produtiva, quando muitos fazem parte da ala dos micróbios políticos, sobrevivendo das migalhas que caem das mesas fartas da poderosa casta das autoridades promíscuas. Como servos sevos, servem de bobos da corte até serem remanejados e alocados no submundo dos déspotas.

Sabemos dos nossos riscos em decorrência das nossas fragilidades como seres humanos, conhecemos nossa suscetibilidade, dessa forma somos conhecedores do nosso papel e comportamento social, não somos gado para sermos tratados em confinamentos antes do abate. Precisamos de tratamento respeitoso tanto pelo nosso passado como pelo presente, ainda não estamos com prazo de vencimento vencido, todos nós somos passíveis de possíveis descartes antecipados em qualquer faixa etária.

Não me venham com o sacrilégio e com palavras de forma amorfa, narrativas burlescas, definições politicamente corretas, nos julgando como se nada mais representássemos para essa sociedade que ajudamos a construí-la tentando deixar um mundo melhor para as futuras gerações que viessem nos suceder. Assim agimos e assim trabalhamos, por isso não aceitamos a tarja desenhada nas nossas testas indicando nossa inutilidade, espécies superadas, démodé.

Essas plataformas digitais que hoje são usadas, construídas para melhor desempenho dos homens e das mulheres, com conotações e pressupostos facilitadores para a vida moderna, todas elas, englobando as tecnologias de ponta foram resultados de muito esforço de várias gerações passadas, elas vieram se aperfeiçoando até atingir o estágio atual, certamente, caso a estupidez da atual geração não se desviar a rota do saber e for simplesmente substituída pelo ter e em nome do poder, muita coisa poderá ser melhorada.

Quando vejo o aparecimento de um vírus, já existente entre nós e nada fizemos no passado para combatê-lo ou debela-lo, francamente, e vendo o esforço sobre-humano que é feito para atingirmos, outros espaços, para domínio do próprio homem, vejo o quanto não evoluímos, crescemos em quantidade da espécie, mas continuamos na escuridão da vida, não temos pensado nos nossos, os mais próximos, no sangue que corre nas veias de todos nós, continuamos impotentes para amarmos nossa própria raça humana.

Coronavírus fará um grande favor aos humanos, destruirá algumas vidas, ocasionada pelo descaço do próprio homem, despois dessa fase o planeta terra passará por uma reforma profunda quando o homem vai se voltar para dentro dele e verificar quão pequeno e mesquinho somos, pensamos muito no luxo material para conforto da matéria, continuamos esquecidos do mais importante, a alma que é imortal. Não aprendemos com o amor de muitos que se dispuseram a nos ensinar, portanto aprendam com a dor que já estamos sentindo na própria pele.

Só espero quando essa nova geração atingir a terceira idade, na sua época, eles possam ter o respeito dos seus descendentes, e sucessores, que sejam tratados com dignidade e respeito, sentimento ausente na atual geração. Fica apenas a informação que somos apenas pessoas, talvez cansados, por essa razão, mais lerdos, justificado pelo desgaste da própria máquina humana que somos. Não desaprendemos com o tempo, fomos apenas superados pela nossa própria criação, entretanto continuamos a pensar e agir como Ser humano, não viramos robôs para sermos conectados ou desligados de uma tomada qualquer.

Não se preocupem o mal maior já foi feito, temos que admitir uma parcela muito grande nesse desencontro de sentimentos, nunca fomos afeitos ao pensamento da paz e da família, tudo foi em função do progresso, do desenvolvimento e da superação material. Quem sabe, depois dessa fase crítica, tanto de saúde pública como política, os ânimos não voltem a serenar e o respeito pelo próximo seja a túnica nas próximas décadas e séculos.

Se a geração atual não sabe tratar os outros mais velhos com o devido respeito, mesmo que tenha estuda muito, não obstante, lamento os senhores devem ter aprendido de matemática, química, física e outras matérias, mas nada sabem do ser humano, dessa forma seria melhor os senhores revestidos de autoridades, recolhessem a insignificância dos vossos cargos, aprendam tudo novamente e voltem se forem capaz.

Genival Torres Dantas

Poeta, escritor e Jornalista


2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page