top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Nem tudo está perdido

Atualizado: 30 de mar. de 2019





Nem tudo está perdido



O antes incensado Presidente Jair Bolsonaro hoje encontra dificuldades até mesmo para visitar uma Universidade, caso específico ocorrido ontem quando estudantes da Universidade Mackenzie fizeram manifestação de apoio e contrários, fazendo o Presidente abortar sua ida, 27/03, em ato de demonstração de acuidade as manifestações populares. Nesses últimos dias de março a situação anda sobejamente agitada na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Quem não entende alguma coisa de política e podres poderes certamente está achando que estamos vivendo o presságio do fim do mundo, o que é mais triste, é a certeza que essas avenças de fundo ideológico só estão ocorrendo por absoluta falta de tato e excesso de desplante daquele que exerce a função de mediador do País interna e externamente, Presidente Bolsonaro.


O Senhor Jair Bolsonaro derrotou seus oposicionistas de uma forma brilhante e insofismável, com mais de 10 mi superior ao seu adversário do segundo turno, num universo de aproximadamente 100 mi de votos, portanto, grande apoio popular. Estava ali configurado o respaldo que o Mito precisava para calar a boca dos anarquistas da esquerda brasileira. O popularmente conhecido como Capitão, essa é sua origem, depois ficou por 28 anos na vida pública só na Câmara dos Deputados.


Como se diz entre os jovens, chegou chegando, montou um ministério com nomes de civis de relevantes serviços prestados, mesclou com militares da reserva, prestigiando a classe de tantos desprestígios teve em governos anteriores, fundamentalmente no governo de Fernando Henrique Cardoso, talvez até por revanche ao movimento de 64 e seu entorno, com exceção do Ex-Presidente Temer, dos últimos quatro, todos foram atingidos pelos Atos Institucionais aplicados no governo de exceção, 1964/1985.


O Presidente Jair Bolsonaro, no alto do seu prestígio achou que governar uma nação seria tão fácil quanto tuitar nas redes sociais, pensou ele: se ganhei a eleição pelas redes sociais vou continuar nessa prática que será um exercício novo de governo e ficarei na fronteira dos retardados nessa corrida. Ledo engano, quanto mais o presidente se comunicava, naquela modalidade, local onde muitos navegam enquanto outros naufragam e mais farpas eram lançadas contra a oposição, e envaidecido da sua condição de atirador de elite, não se fez de arrogante, partiu para o confronto até mesmo com aliados, mirando inclusive seus dois Super Ministros, Justiça e Economia, falando exageradamente foi se complicando e tornando as coisas para sua administração mais desastrosa.


Em determinado ponto, Ministros, Líderes na Câmara e Senado se transformaram em bombeiros do Planalto, cada fala do Presidente era uma correria para contornar as consequências maléficas nos enunciados. Muitas vezes antecipando possibilidades de novas redações em projetos, cartas marcadas para discussão dos ministros junto ao Congresso, dessa forma, tornando inviável qualquer negociação futura, em outras ocasiões, desautorizando auxiliares, impondo demissões ou não contratações, numa fronte de verdadeiro escarnio aos seus correligionários, indo de encontro a quaisquer noções básicas de psicologia, quando temos que elogiar em público e criticar no reservado. Pensamento basilar nas relações humanas.


Assim o Senhor Presidente foi destruindo seu próprio caminho, criando empecilhos, formando adversários com atos e palavras, tudo que parecia fácil de articular e executar foram se atrofiando, ficando complexo, seria suficiente o Presidente não ter feito nada, nem mesmo de dizer nada, fazer um voto de reclusão, sem nem mesmo falar nada, apenas seus auxiliares operando, certamente a situação seria outra.


Sabemos, recuperar é mais difícil que conseguir crédito, portanto, a situação do Presidente da República está ficando dramática, com sua popularidade caindo, dólar subindo, o Congresso Nacional com suas casas e líderes não querendo fechar acordo para aprovar o projeto da reforma da Previdência e até mesmo o do Ministro da Justiça sendo questionado, numa visível retaliação à política de Jair Bolsonaro que não quer a prática do dando que se recebe, antigas práticas dos governos anteriores.


A última posição tomada pelo Presidente é no mínimo antipática, querer que o País comemore o dia 31 próximo pelo transcurso de aniversário da revolução de 64, é querer cutucar onça com faca curta, há controvérsias políticas nesse assunto, com duas correntes defendendo suas ideologias, temos o maior respeito pelos militares, somos gratos por eles terem evitado que o Brasil caísse às mãos da esquerda inconsequente, cujos exemplos estão bem próximo como Cuba e Venezuela, duas nações de triste presente, com certeza estaríamos amargando uma profunda crise de difícil solução.

Ainda acredito na reabilitação do crédito do Senhor Presidente, para tanto, se faz necessário que ele passe a operar com razoável senso de controle, limitando-se aos pronunciamentos oficiais, renunciar ao mundo virtual e opiniões subjetivas, podendo tuitar, se for um vício o que é lamentável na idade dele, formando grupos restritos de apoiadores e seguidores, sem participação geral e irrestrita como vem fazendo. Sair do marasmo em que se encontra na aprovação dos dois projetos em curso na Câmara, antes conseguir adesão suficiente a esses dois monstros em que foram transformados os projetos, partir para outras pautas positivas.


Trabalhar em silêncio, tocar as trombetas antes da vitória é coisa da destemperança. Apresentar os pecados que serão transformados, nunca os pecadores, se não respeita os revestidos em suas insígnias, pelo menos respeite os homens honrados, esses não precisam de indumentárias já nascem envoltos. Não se esqueça dos mais carentes, eles são os mais necessitados, não do olhar caridoso, mas, da mão que afaga do Estado, reconheço o papel daqueles que até não sendo seu eleitor convicto, sou um deles, votei por exclusão, não releve a necessidade dos contrários, afinal, somos todos irmãos, filhos da mesma Pátria e do mesmo Deus. Senhor ilumine todos nós.


Genival Torres Dantas

Poeta e Escritor

genivaldantas.com.br

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page