top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Nem tudo é como queremos (05/01/2020)



Quando o francês Augusto Conte, século XlX, na sequência do Iluminismo, juntamente com o também pensador John Stuart Mill, desenvolveram a Escola Positivista, estava ali sendo implantado um novo pensamento de muito sucesso e seguidores espalhados pela Europa, atingindo posteriormente outros continentes, caso do Brasil que foi influenciado pela corrente de pensamento positivista, atingindo até mesmo a proclamação da República brasileira, golpe conhecido como golpe da espada, ou República da Espada, governos específicos militares de Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto, período correspondente a Primeira República Brasileira, indo até a Revolução de 1930, Era Vargas, outro golpe, agora com o ditador Getúlio Vargas.


No mesmo período do surgimento do pensamento positivista e na sequência do iluminismo, surge a ciência social, ou a sociologia, para intensificar os estudos da sociedade como um todo, agora como estudo específico, mais um projeto do Augusto Conte que figura como o pai dessa matéria. No Brasil esse pensamento e também como ciência, começou a se desenvolver entre os anos 1920/1930, e, principalmente com o surgimento das obras Casa Grande e Senzala (1933) de Gilberto Freyre; Raízes do Brasil (1936) de Sérgio Buarque de Holanda e o livro Formação do Brasil Contemporâneo (1942) de Caio Prado Júnior.


Lembro era início dos anos 1970 tive os primeiros contatos com a matéria, cadeira de sociologia, UFPE – FAFIRE, no ensino médio era matéria proibida e assim foi de 1964 até 1985. Somente em 10/12/2009 a profissão de sociólogo foi reconhecida e a data foi instituída como dia do sociólogo. Com esse reconhecimento o sociólogo e a sociologia passaram a ser prestigiada, por méritos, necessidade de mercado e cultura de um povo tão rico na sua história social e pobre nas narrativas.


Pela presidência da República passou até mesmo um sociólogo, Fernando Henrique Cardoso, 1995/2003, sem regulamentar a profissão, apenas nos governos da esquerda petista, 2003/2011 (Lula) e 2011/2016 (Dilma) isso aconteceu. Não podemos negar que houve um lampejo de ganhos sociais nos governos da esquerda no Brasil, entretanto a desditosa política da esquerda com o indecoroso comportamento de saque aos cofres públicos e o elevado índice de corrupção em todas as escalas governamentais, os ganhos sociais obtidos representaram muito mais uma propaganda enganosa na época, cujas informações de grandes expectativas de ótimos resultados não passaram de lérias.


Dessa forma, quando o governo anunciava que o Brasil tinha crescido 4% ao ano, nossos vizinhos Sul Americanos tinham crescido 4,1% e o mundo 4,2%, assim sendo, comparado ao resto do mundo o Brasil encolhia enquanto os governantes esquerdistas implantavam histórias falaciosas, sem a menor vergonha na cara, o verdadeiro conto do vigário, aliás, esse era o comportamento da esquerda, quando a coisa ficava preta, a culpa era sempre dos outros, foi sempre assim.


Esperamos que o atual momento político mundial, precarizado pelo embate entre os EUA, o Irã e o mundo árabe, colocando o oriente médio em pé de guerra com o resto do mundo, numa fase que mais necessitamos de calma e harmonia entre os povos, mormente o Brasil pelos percalços que passamos em decorrência do desfalque causado pelos governos de esquerda que por aqui passaram, tivemos o ano de 2019 considerado um dos mais difíceis, agora a casa quase arrumada precisamos deslanchar economicamente para podermos sair do abismo em que nos encontrávamos definitivamente.


Infelizmente o mundo mergulha numa fase de estremecimento político, qualquer fagulha seremos todos mergulhados na fogueira do ódio que predomina nos países dos petrodólares. Esses países se encontram com suas reservas de commodities minerais em processo final, seus recursos minerais são finitos, como os são em todos os demais países, esse fato é mais um componente de ódio do oriente contra o ocidente. Esperamos que essa gente possa ter a inteligência de fazer economias na exploração dos seus recursos e invistam em alguma coisa que lhes proporcione para o futuro uma economia sustentável para sobrevivência, e essa ira possa ser controlada, para que o mundo possa conviver em paz.


Uma das coisas que mais beneficia a paz mundial é a tranquilidade financeira, com poder aquisitivo distribuído entre todos, equitativamente, é nessa hora que acreditamos na superação das divergências internas e externas, quando desejamos que os conflitos por causa da sobrevivência sejam superados é que almejamos nossa superação também, somos todos passageiros de um mesmo navio em águas profundas, calmas ou turbulentas, só depende de nós e da nossa capacidade de administrarmos os momentos de crises, é nessa hora que sabemos se os nossos comandantes a bordo são verdadeiros peritos.



Genival Torres Dantas

Poeta e Escritor

genivaldantasrp@gmail.com

2 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page