top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Ataques, ilações, ou inferências, sabujice dos desclassificados (02/03/2020)



Toda armação normalmente tem por trás um desavisado, até mesmo um desocupado em busca de promoção pessoal; o que vem ocorrendo no Brasil afronta qualquer cidadão com um mínimo de pudicícia, dignidade e compostura. Inicialmente não acreditei no que estava ouvindo e na sequencia lendo, confesso que fiquei pasmo, o perjuro era tamanho que demorei a entender, até certo ponto, a mensagem escrita e falada, via net. Infelizmente, sabemos que nesse ambiente virtual que nos cerca somos envolvidos por pessoas, muitas delas desqualificadas, pondo em risco qualquer efeito de credibilidade que venhamos a ter no que nos chega.


Partindo dessa premissa não é factivo fazermos qualquer silogismo na tradução dos relatos. Entretanto, buscando clarear a memória e, em novas buscas, me deparo com algumas informações que elucidam os fatos colocados, principalmente numa edição, última, da Revista Isto É, e algumas páginas tidas como apoiadoras da esquerda brasileira. O assunto referendado é sobre um caso amoroso envolvendo a primeira Dama do Brasil Sra. Michelle Bolsonaro e o ex-ministro de Estado, do Ministério da Cidadania, Osmar Terra, recém-afastado do cargo.


Eu sempre acreditei que qualquer canalhice poderia ser feita contra qualquer pessoa, entretanto essa nauseabunda colocada contra uma família, aliás, mais que uma família, em jogo estava à honra da família do Presidente da República e do próprio Osmar Terra, mesmo que fosse verdadeira a trama, isso é um assunto a ser tratado pelos envolvidos, assunto intrafamiliar, não diz respeito à opinião pública, principalmente aos sabujos, devassos e concupiscentes pertencentes à matilha alocada em uma ideologia política voltada para a esquerda comunista, sobrevivente da incapacidade de sobreviver e na sombra da Lei e da Ordem.


Esse tipo de comportamento só é verificado entre os embusteiros e pernósticos, que para se sentirem bem e na tentativa de qualquer sucesso não se importam com a dignidade do próximo, vivem na lama e para ela, sentem vergonha de ser humano; talvez vivessem menos erráticos se nascessem vermes, vírus, até mesmo se transformassem em escória humana, antes de qualquer ação, dessa forma, fariam menos mal para a humanidade que se arrastar na sarjeta do submundo em que vivem nos matando de vergonha e pejo.


Para completar o quadro de triste penar par o presidente Bolsonaro, uma de suas apoiadoras, inclusive foi citada como possível vice-presidente quando Bolsonaro se elegeu presidente da República, Janaina Paschoal, emérita professoral universitária, uma cabeça pensante, atual deputada estadual (PSL/SP), faz uma reflexão sobre o filho do Jair, logo ele, o filho que o Presidente Bolsonaro tentou por todos os meios coloca-lo na embaixada de Nova Iorque/EUA, contra toda a opinião pública, passivo de represália do Congresso Nacional por prática de nepotismo.


Eduardo Bolsonaro, acusando-o de sabotar o governo do próprio pai, instigando correligionários e apoiadores do governo Bolsonaro contra o próprio sistema, com objetivo específico e único, caso o Jair Bolsonaro não venha a seguir no governo, por qualquer razão, o caminho fica livre para a candidatura do próprio Eduardo Bolsonaro em 2022. Se o Jair Bolsonaro continuar no cargo até o final do mandato, o Eduardo, por ser consanguinidade com o Jair, ficaria impedido de se candidatar, conforme colocação da própria Janaína Pasqual doutora em direito penal e professora da matéria na USP (SP), além dos predicados acima colocados.


Essas duas situações esdrúxulas é fazer o sujeito chorar em alemão, aliada a presença do Coronavírus que já se apresenta com dois casos no Brasil, Estado de São Paulo, e as consequências econômicas advindas desse fato, além da labuta diária e os entraves políticos administrativos que surgem no dia a dia da presidência da República devem estar trazendo saudades dos 28 anos do Congresso Nacional, precisamente na Câmara dos Deputados com a suavidade do clima que existia lá.


Mas como dizem que o bom cabrito não berra e o bom soldado não foge à guerra, certamente, o Capitão tem muito fôlego antes de engraxar o coturno para a nova posse, é o que deseja todos aqueles que apoiam o País e os que lutam por uma Pátria melhor e longe das falcatruas, onde o Brasil estava com os párias. É o que deseja, em solidariedade, ao Presidente todos os brasileiros da paz, com a família e justiça.


Genival Torres Dantas

Poeta, escritor e Jornalista


2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page