top of page
Buscar
  • Foto do escritorGenival Dantas

Areia no Coturno do Capitão

Atualizado: 25 de ago. de 2019





Passei por vários planos econômicos, alguns governos e sistemas que se sucederam todos com a demagogia de sempre, promessas tiradas do arco da velha, tramadas na bacia das almas, modelos rebuscadas no cafundó do Judas e foram parar na baixa da égua. Não fora o meu aspecto físico e o avançado da idade diria que no espaço entre os anos de 1950 até os dias atuais tudo não passava de pesadelos, devaneios, dos sonhos sonhados e desejos descartados.


As pessoas não têm mais primado pela tolerância e bem estar tanto delas como seus pares, há uma intolerância mundial. Os números têm nos mostrado o quanto decrescemos nas últimas décadas, considerando vários aspectos, mas, primordialmente como gente, parceiros, companheiros e tantas formas diferentes que temos de comensurar nossos valores. Existe uma preocupação obsessiva em formar uma condição material, portanto subjetiva, nem que para esse intento tenhamos que relevar o segundo plano, outros valores até de maior relevância para a formação do caráter e a sobrevivência no atual estágio de vida.


Observamos que a vida, efetivamente, só tem o seu real valor quando não temos a necessidade de termos pressa para acabarmos nossas tarefas, nossos estudos, a nossa aula, nosso dia, e que a noite passe rapidamente para muito mais rápido o sol se levanta para apressadamente corremos em busca de novas tarefas, uma verdadeira cruzada contra o tempo. Esse mesmo tempo que não temos tempo de espera-lo, na sombra de uma árvore, no banco de uma praça, ou mesmo na mesa de um café, enquanto lemos as notícias, pois, as notícias da manhã já são velhas a essa altura do dia.


O café se transformou numa perda de tempo para quem a celeridade é muito mais importante, lembrando ainda, o jornal vendido pelo jornaleiro da esquina já não existe, lembrei que a maioria das coisas se transformou eletronicamente para o conforto de todos e desinformação da maioria. Espaços vagos são espaços preenchidos, até que a novidade ali oferecida fique velha, portanto, superada, nos próximos dias ou horas, caminhamos desatentos e desleixados, estamos nos transformando em verdadeiras almas penadas todas em busca de reza sem saber qual porta entrar, são tantas portas oferecidas em nome das religiões, muito embora lhes falte o principal, a presença de Deus.


Finalmente, após mais um dia de correria vamos ao descanso que nos propomos, recostamos nosso corpo e nos deparamos com os noticiários noturnos. O Brasil é tragado pelas chamas das labaredas no Norte do País, a seca perdura por muito tempo, as queimadas são desastrosas, as autoridades reclamam que não há recursos para resolvermos essa situação de penúria para os nativos que sempre sofreram nessa época do ano. Os opositores ao Governo alegam que isso é um absurdo e carregam o coturno do Capitão Bolsonaro de areia para que ele possa claudicar com mais constância e que ele é o responsável pelo descaso para com as ONGs que trabalham na região dos transtornos ecológicos.


Os cuidadores da vida na selva, reconhecidamente os europeus, em maior escala, levantam suas vozes e põem mais fogo na selva, como retaliação ao Presidente Bolsonaro que no inicio do seu mandato escaramuçou com o Presidente Frances, Emmanuel Macron, se volta contra o nosso País, alegando até proprietário da nossa Amazônia, portanto, no direito de se impor criando obstáculos às nossas exportações, sendo seguido por outros, dentre o Grupo do G-7, a Irlanda, as duas seguindo para a difamação, textualmente falando, junto aos demais membros que estão reunidos no território francês.


Por conta desse incidente o mundo volta suas metralhadoras críticas em nossa direção, nos acusando de responsáveis pela desgraça ambiental, para isso, mostram ao mundo, fotos de incêndios provocados até mesmo em outras décadas e outros locais, como se essas fossem reais e atuais tiradas onde os focos de incêndios se transformam em chamas incontroláveis, no norte brasileiro. É uma pena que a canalhice virtual tome conta do mundo real, o mais constrangedor é que outras autoridades internacionais e mesmo nacionais trilhem por caminhos tão abjetos,


Para nós brasileiros, que amamos a nossa terra, independente de quem esteja no controle da Nação, temos que renuir qualquer iniciativa de menosprezo com o nosso País, sabemos que o Presidente da República tem agido com desacertos, atuando como um juvenil arengueiro, de certa forma e em determinados momentos, atuando destrambelhada e jocosamente, regimentando críticas contrárias a sua administração, principalmente quando incita usando despropérios a Polícia e Justiça Federal, além do Coaf, hoje ex-órgão controlador, atingindo diretamente o Ministro Sergio Moro da Justiça e Segurança Nacional, tão dedicado ao atual Governo.


Essas peripécias não se justificam, nem se coadunam dentro de um Governo que se diz sério e por quem o povo brasileiro ainda lhe dedica respeito. Caso o Governo Bolsonaro se estrangule e se desfaça, o único culpado do malogro será do próprio Presidente que não soube, até agora, governar para todos, tendo se dedicado a uma restrita classe, priorizando sua própria família em detrimento ao povo como o todo. Fica uma lição antiga, não se administra por exclusão, somos irmãos da mesma Pátria, nesse caso, não há castas, nem credos, nem mesmo ideologias, a Nação é a meta.



Genival Torres Dantas

Poeta e Escritor

genivaldantasrp@gmail.com

2 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page